Rádio Tupancy 87,5 FM

5136873240

Litoral

Projeto vai produzir documentário inédito e pioneiro sobre a dança do Litoral Norte

O documentário foi contemplado no Edital Sedac nº 09/2020 Produções Culturais e Artísticas com recursos da Lei Aldir Blanc

Projeto vai produzir documentário inédito e pioneiro sobre a dança do Litoral Norte
Divulgação
Use este espaço apenas para a comunicação de erros nesta postagem
Máximo 600 caracteres.
enviando

“Um Mar de Danças – cartografias do Litoral Norte” começa uma iniciativa inédita: a produção de um documentário de média metragem sobre as manifestações de dança nos municípios do Litoral Norte. O documentário foi contemplado no Edital Sedac nº 09/2020 Produções Culturais e Artísticas com recursos da Lei Aldir Blanc. Além de identificar a diversidade e pluralidade cultural dos artistas e coletivos que promovem a arte da dança na região, a iniciativa se propõe a incrementar a cadeia produtiva da dança gerando oportunidade de trabalho para profissionais locais e ainda articulando uma rede de agentes culturais.

A idealização do projeto é do NIDI (Núcleo Imagem e Dança de Imbé) que é resultado da parceria do Estúdio de Dança Tati Missel e do coletivo Pomar Poético, de Porto Alegre idealizado pelo artista Marcelo Cabrera. O Projeto tem produção de Jane Carvalho/ RRPP Eventos e conta com os voluntários e colaboradores, os professores e pesquisadores Airton Tomazzoni e Luciana Paludo, ambos doutores em Educação pela UFRGS.
A primeira fase do projeto fez um levantamento de grupos, escolas e projetos de dança na região e o impacto da pandemia nas atividades. “Mais de 40 ações de dança foram identificadas, revelando um panorama amplo e diversificado”, destacam os coordenadores Marcelo Cabrera e Tati Missel.

Segundo eles, estão nesse levantamento escolas de balé, invernadas artísticas, grupos de kpop, dança aérea, de dança de salão, manifestações tradicionais como maçambique e o boizinho da praia, de jazz, de danças urbanas/hip hop e de danças ciganas, danças árabes, entre outras. O mapeamento também identificou ações voltadas à dança inclusiva e para a terceira idade. “O objetivo é o dar visibilidade a artistas, grupos, coletivos e projetos alguns deles desconhecidos ou pouco conhecidos na cena cultural do nosso estado e auxiliar na articulação dessa rede de artistas”, enfatizam os coordenadores.

A partir de hoje, 18 de fevereiro, iniciam as gravações que acontecem até dia 24 de fevereiro com depoimentos, cenas de ensaios e coreografias, além de coletar imagens de arquivos. A direção do vídeo será de Fernando Muniz da MOOV.ART. As locações acontecerão em Imbé (18), Tramandaí(19), Santo Antônio da Patrulha(20), Osório (21), Cidreira (22), Capão da Canoa (23) e Torres(24).

Alguns dos grupos participantes são:

CTG Querência de Imbé, Pqt Rodolfo João Fernandes e Estúdio Vivi Dance, Estúdio Tati Missel, de Imbé; Oficina de Dança Renata Guimarães, Ctgs Chico Borges e Patrulha do Rio Grande, de Santo Antônio da Patrulha; Grupo AB Evolution da EEEM Assis Brasil, CA Dancers, Baillarium Escola de Dança, Estúdio Pole Dance by Roberta Smolny, Grupo de Dança, Studio de Dança Lila Ribeiro e SESC Maturidade Ativa de Tramandaí; Grupo de Dança Arco Iris, Escola de Dança Cora Ferraz, Ctg Piazito do Litoral e Boizinho da Praia, de Cidreira; Street Rappers, Estúdio de dança Jaqueline Lima e Grand Jeté Dança e Música de Capão da Canoa e Escola de Dança Rafael Stenzel, Associação Cultural e Religiosa Macambique de Osório, Estúdio de Arte e Dança Marli Bublitz, PTG Bocal de Prata e CTG Estância da Serra, Escola de Dança Rafael Stenzel e Flutua Dança Aérea, de Osório; Estúdio Paula Schreck Dança e Movimento, Espaço Marrakech, Estúdio de Dança Rafaela Ferreira e Centro Cultural Inge e Margot de Torres e Cia de Dança Vitorino, de Tavares e CTG 20 de Setembro, de Xangri-Lá.

O projeto também está buscando incrementar a cadeia produtiva da dança com a participação de produtores locais que estarão envolvidos nos processo de execução do documentário. Estão previstas ainda ações inclusivas de audiodescrição (AD), legendas para surdos e ensurdecidos (LSE) e janela de Libras (JL).  Será produzido ainda um material didático de apoio a professores que será enviado para escolas da região possibilitando atividades pedagógicas vinculadas ao documentário, colaborando assim em ações pedagógicas/formativas sobre a atividade da dança, alternativas de profissionalização, aspectos da diversidade cultural. Contatos: nididancaimagem@gmail.com

FONTE/CRÉDITOS: Núcleo Imagem e Dança de Imbé / Jovem Pan News Litoral
Comentários:

Veja também

Envie sua mensagem, estaremos respondendo assim que possível ; )